Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/13750
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_FuncionalismoCausacaoMental.pdf872 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Funcionalismo e causação mental
Autor(es): Abrantes, Paulo Cesar Coelho
Amaral, Felipe Santiago
Assunto: Corpo e mente
Materialismo
Filosofia da mente
Data de publicação: Fev-2002
Editora: Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência (CLE) da Universidade de Campinas (UNICAMP)
Referência: ABRANTES, Paulo; AMARAL, Felipe. Funcionalismo e causação mental. Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia, Campinas, SP, v. 25, p. 13-45, fev. 2002. Edição Especial.
Resumo: O que colocou o fundonalismo no centro do debate em tomo do problema mente-cmpo nos últimos trinta anos parece ter sido a sua capacidade de condliar intuições fisicalistas com uma espécie de não-redudonismo: se por um lado postula-se a existência de entes físicos somente, distribuídos em uma ontologia estratificada, por outro não se falha em explicitar uma distinção real entre as propriedades de entes capacitados a sentir e representar. A supemniência mente-corpo aparentam esclarecer essas intuições dos jisica/istas não-redutims. Vários dos trabalhos de Kim em tomo dessa relação, em especial aqueles publicados antes do fim da década de. oitenta, sugeriram a supemniência como uma possível, e promissora, elucidação do estado de coisas em tor no do problema da relação entre a mentalidade e o fisico. Nos últimos anos, contudo, Kim apresentou um dilema, expressando com bastante pungência que a causação mental revela-se ininteligível, valendo ou não valendo a supemniência mente -corpo. Por conseguinte, a superveniência deixa de compor uma possível solução para o problema, passando a constituí-lo. Como tal conceito de sujxrveniênda mente-corpo estende-se naturalmente a uma região de intersecção entre todas ai posturas não -reducionistas minimamentefisicalistas, as preocupações de Kim, se defato justificadas, sugerem algo de bastante grave com o fisicalismo não-redudonista. Defenderemos neste trabalho que, apesar do problema da exclusão causal sergenuíno, ainda é cedo para concluirmos a falsid ade do fisicalismo não-redutivo. ____________________________________________________________________________________________________________ ABSTRACT
What has placed functionalism in the center o f the debate around the mind-body problem in the last three decades seems to ham been its capacity to conciliate pbysicalist intuitions with non-reductionism: if, on the one hand, the functionalist o f plysicalist persuasion postulates the existence o f physical entities only, distributed in a stratified ontological model, on the other, she does not sly away fm m a realism regarding these entities 's properties, in particular with respect to the ones related to sensing and representing. Mitul-body sttpemnience seems to haiv come along to bring light upon these non-reductionist andpljysicalist intuitions. KJm, notably in the eighties, suggested supervenience to offer a clear sense in which the relation between mentality and the physical could be understood. In the last years, nonetheless, he has become increasingly skeptic about the possibility o f our understanding mental causation through mind-body supervenience. H e sets forth a dilemma, according to which mental causation is unintelligible, etm mere supervenience true. In Kim ’s vie», then, mind-body supervenience turns out to compose the problem, instead o f expressing a solution to it. Moreover, since mind-body supervenience seems to apply to a ll minimally pkysicalist positions on the mind-body problem, K im ’s misgivings suggest something critical with non-reductive pbysicalism in general. We shall argue in this paper that, although Kim's misgivings seem justified, it would be headlong to assume the falsity o f non-reductive pljysicalism.
Licença: Autorização concedida ao Repositório da Universidade de Brasília (RIUnB) pelo editor, com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 3.0, que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que seja citado o autor e licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação desta.
Aparece nas coleções:FIL - Artigos publicados em periódicos

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons