Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/13394
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2013_IsabelTeresaCristinaTaukane.pdf1,22 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Na Trilha das pekobaym guerreiras kura-bakairi : de mulheres árvores ao associativismo do instituto yukamaniru
Autor(es): Taukane, Isabel Teresa Cristina
Orientador(es): Barretto Filho, Henyo Trindade
Assunto: Índios da América do Sul - Brasil - sustentabilidade
Mulheres
Sustentabilidade
Data de publicação: 24-Jun-2013
Referência: TAUKANE, Isabel Teresa Cristina. Na Trilha das pekobaym guerreiras kura-bakairi: de mulheres árvores ao associativismo do instituto yukamaniru. 2013. 90 f., il. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável)—Universidade de Brasília, Brasília, 2013.
Resumo: Esta pesquisa teve por objetivo analisar o associativismo protagonizado por um grupo de mulheres indígenas da etnia Bakairi no Instituto Yukamaniru. Os métodos e instrumentos utilizados para obtenção dos dados e análises foram a observação e registros das participações em reuniões e atividades desenvolvidas pelo Instituto, além das entrevistas formais e informais em momentos de compartilhamento de memórias das mulheres fundadoras, estudos de documentos, como estatutos e relatórios, e ainda a literatura de cunho acadêmico como artigos, dissertações e teses a respeito dos Bakairi e associativismo indígena no Brasil. Inicio com a descrição da etnia Bakairi e um pouco de sua história e suas organizações. Ao descrever e refletir acerca do Instituto Yukamaniru buscou-se tanto a origem das mulheres na cosmologia Bakairi, que se originaram de árvores, como também associar este grupo de mulheres fundadoras ao mito das Pekobaym, as mulheres guerreiras. Descrevo com destaque especial os projetos desenvolvidos por esta organização tais como o Kadakera, de revitalização do plantio do algodão nativo para a confecção das redes, e o Enren Enamado, um programa de reflorestamento dos buritizais na Terra Indígena Bakairi. Por meio desta experiência com o associativismo, percebeu-se, na descrição e análise desta organização protagonizada por um grupo de mulheres indígenas Bakairi no Instituto, um caminho para o fortalecimento dos saberes tradicionais e a capacidade criativa e guerreira na construção de caminhos para a sustentabilidade ambiental e cultural; fruto de um contínuo diálogo, muitas vezes conflituoso, em constante reelaboração, diante das relações com os colonizadores não índios e mesmo inter-aldeias. _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT
This research aimed to analyze the associativism carried out by a group of Bakairi indigenous women in the Yukamaniru Institute. The methods and instruments used to obtain the data and analyses were observation and records of participations in meetings and activities developed by the Institute, besides the formal and informal interviews in moments of sharing memories of the founding women, studies of documents such as statutes and reports and also the literature of scientific journals such as articles, dissertations and theses about the Bakairi and indigenous associativism of Brazil. I start with the description of the bakairi ethnicity and a little of its history and its organizations. When describing and reflecting about the Yukamaniru Institute, one seeks both the origin of the women in the Bakairi cosmology, - who originated from trees; and also associates this group of founding women to the Pekobaym‟s myth, - the warrior women. I describe with special emphasis the projects developed by this organization such as the Kadakera, of regeneration of the native cotton plantations for hammock manufacturing, and the Enren Enamado, a program of reforestation of the buritizais (Mauritia flexuosa plantations) in the Bakairi Indigenous Land. Through this experience with the associativism, one perceives in the description and analysis of this organization carried out by a group of Bakairi indigenous women in the Institute, a way for the strengthening of the traditional knowledge and the creative and warrior capacity in building pathways for environmental and cultural sustainability; as a result of a continuous dialogue, many times conflicting, in constant reelaboration, in face of the relationships with the non-indigenous settlers and even inter-villages.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Centro de Desenvolvimento Sustentável, 2013.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Na qualidade de titular dos direitos de autor da publicação, autorizo a Universidade de Brasília e o IBICT a disponibilizar por meio dos sites www.bce.unb.br, www.ibict.br, http://hercules.vtls.com/cgi-bin/ndltd/chameleon?lng=pt&skin=ndltd sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o texto integral da obra disponibilizada, conforme permissões assinaladas, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data.
Aparece nas coleções:CDS - Mestrado em Sustentabilidade junto a Povos e Terras Tradicionais (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.