Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/12345
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_SituacaoEpidemiologicaBruceloseES.pdf214,59 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Situação epidemiológica da brucelose bovina no Estado do Espírito Santo
Outros títulos: Epidemiological situation of bovine brucellosis in the State of Espírito Santo, Brazil
Autor(es): Azevedo, Sérgio Santos de
Ferreira Neto, José Soares
Dias, Ricardo Augusto
Ferreira, Fernando
Amaku, Marcos
Figueiredo, Vera Cecília Ferreira de
Lôbo, José Ricardo
Gonçalves, Vitor Salvador Picão
Souza, A.C.
Vasconcellos, Sílvio Arruda
Assunto: Bovino - doenças - diagnóstico - Espírito Santo (ES)
Brucelose bovina
Bovino de leite - doenças - Espírito Santo (ES)
Bactérias
Brucella
Data de publicação: Nov-2009
Editora: Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária
Referência: AZEVEDO, S.S. et al. Situação epidemiológica da brucelose bovina no Estado do Espírito Santo. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v. 61, nov. 2009. Suplemento. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-09352009000700004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 1 mar. 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352009000700004
Resumo: Realizou-se um estudo para caracterizar a situação epidemiológica da brucelose bovina no Estado do Espírito Santo. O Estado foi dividido em dois circuitos produtores. Em cada circuito foram amostradas aleatoriamente cerca de 300 propriedades e, dentro dessas, foi escolhido de forma aleatória um número pré-estabelecido de animais, dos quais foi obtida uma amostra de sangue. No total, foram amostrados 5.351 animais, provenientes de 622 propriedades. Em cada propriedade amostrada foi aplicado um questionário epidemiológico para verificar o tipo de exploração e as práticas de criação e sanitárias que poderiam estar associadas ao risco de infecção pela doença. O protocolo de testes utilizado foi o da triagem com o teste do antígeno acidificado tamponado e o reteste dos positivos com o teste do 2-mercaptoetanol. O rebanho foi considerado positivo quando pelo menos um animal foi reagente às duas provas sorológicas. Para o Estado, as prevalências de focos e de animais infectados foram, respectivamente, de 9,0% [7,0-11,6%] e 3,5% [1,9-6,4%]. Para os circuitos, as prevalências de focos e de animais infectados foram, respectivamente, de: circuito 1, 6,8% [4,5-10,2%] e 3,4% [1,3-8,6%]; circuito 2, 10,9% [7,9%-14,8%] e 3,7% [2,1-6,3%]. Os fatores de risco (odds ratio, OR) associados à condição de foco foram: utilização de inseminação artificial (OR = 7,05 [2,51-19,82]) e confinamento/semiconfinamento dos animais (OR = 2,98 [1,22-7,26]). A vacinação de fêmeas entre três e oito meses de idade foi um fator protetor (OR = 0,03 [0,01-0,1]). _____________________________________________________________________________________________________________ ABXTRACT
A study to characterize the epidemiological status of brucellosis was carried out in the State of Espírito Santo. The State was divided in two regions. Three hundred herds were randomly sampled in each region and a pre-established number of animals were sampled in each of these herds. A total of 5,351 serum samples from 622 herds were collected. In each herd, it was applied an epidemiological questionnaire focused on herd traits as well as husbandry and sanitary practices that could be associated with the risk of infection. The serum samples were screened for antibodies against Brucella spp. by the Rose-Bengal Test (RBT), and all positive sera were re-tested by the 2-mercaptoethanol test (2-ME). The herd was considered positive if at least one animal was positive on both RBT and 2-ME tests. The prevalence of infected herds and animals in the State were, respectively, 9.0% [7.0-11.6%] and 3.5% [1.9-6.4%]. The prevalence of infected herds and animals in the regions were, respectively: region 1, 6.8% [4.5-10.2%] and 3.4% [1.3-8.6%]; and region 2, 10.9% [7.9-14.8%] and 3.7% [2.1-6.3%]. The risk factors (odds ratio, OR) associated with the presence of the infection were: use of artificial insemination (OR = 7.05 [2.51-19.82]) and intensive/semi-intensive management systems (OR = 2.98 [1.22-7.26]). Vaccination of heifers from three to eight months of age was a protective factor (OR = 0.03 [0.01-0.1]).
Licença: Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia - Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons (Attribution-NonCommercial 3.0 Unported (CC BY-NC 3.0)). Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-09352009000700004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 1 mar. 2013.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352009000700004
Aparece nas coleções:FAV - Artigos publicados em periódicos

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.