Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/11763
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ARTIGO_SociologiaMedicaSociologia.PDF120,96 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: Sociologia médica, sociologia da saúde ou medicina social? : um escorço comparativo entre França e Brasil
Outros títulos: Medical sociology, sociology of health or social medicine? : a comparative analysis between France and Brazil
Autor(es): Montagner, Miguel Ângelo
Assunto: Bourdieu, Pierre, 1930-2002 - crítica e interpretação
Medicina social - Brasil
Medicina social - França
Data de publicação: Jun-2008
Editora: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. Associação Paulista de Saúde Pública
Referência: MONTAGNER, Miguel Ângelo. Sociologia médica, sociologia da saúde ou medicina social?: um escorço comparativo entre França e Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 2, jun. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902008000200018&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 5 dez. 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902008000200018.
Resumo: O objetivo deste trabalho é esboçar um estudo comparativo da sociologia médica na França e no Brasil, aproveitando a ocasião proporcionada pelas trocas e a discussão entre sociólogos brasileiros e franceses, que partilham um interesse mútuo sobre os estudos de sociologia da medicina de um lado e, por outro, a abordagem sociológica construída por Pierre Bourdieu. Ele contém uma reflexão sobre o status da sociologia dentro do campo da saúde, baseada em uma revisão da literatura científica francesa, norte-americana, inglesa e brasileira. Por meio dos trabalhos publicados sobre a área médica, procuraremos esclarecer os modos específicos de abordar a saúde, a doença e a medicina em cada um dos países, discernir suas particularidades históricas e delinear as relações entre a sociologia da saúde e a sociologia em sentido largo. Percebemos uma confluência de fatores como o núcleo da formação da sociologia médica no Brasil: um projeto social de reforma por parte dos médicos higienistas, um projeto de institucionalização da disciplina pelos professores de Ciências Sociais nas faculdades de Medicina e uma reforma conservadora do ensino no momento de governos autoritários.
Abstract: This paper presents a comparative study on medical sociology in France and Brazil by means of exchanges and discussions among Brazilian and French sociologists who share mutual interests in medical sociology studies and in the sociological approach of Pierre Bourdieu. This manuscript contains a reflection on the status of medical sociology based on a literature review of the scientific French, North American, British and Brazilian production. Using published papers on the medical field, we sought to clarify the specific ways in which health, disease and medicine are approached in both countries; to discern their historical particularities; and to outline the relations between sociology of health and sociology in the broad sense of the word. We observed a confluence of factors, such as the basis of the formation of medical sociology in France as well as in Brazil: a reforming social project developed by public health doctors, a project developed by social sciences professors to institutionalize the discipline in medical schools, and a conservative reformulation of education during authoritarian governments.
Licença: Saúde e Sociedade - Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons (Attribution-NonCommercial 3.0 Unported (CC BY-NC 3.0)). Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_serial&pid=0104-1290&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 5 dez. 2012.
DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902008000200018
Aparece nas coleções:FCE-SC - Artigos publicados em periódicos

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.