Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/11225
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012_RenataRodriguesMaiaPinto.pdf1,49 MBAdobe PDFView/Open
Title: Aceleração de ensino na educação infantil : percepção de alunos superdotados, mães e professores
Authors: Maia-Pinto, Renata Rodrigues
Orientador(es):: Fleith, Denise de Souza
Assunto:: Crianças superdotadas - educação
Superdotados
Educação especial
Issue Date: 19-Sep-2012
Citation: MAIA-PINTO, Renata Rodrigues. Aceleração de ensino na educação infantil: percepção de alunos superdotados, mães e professores. 2012. 153 f., il. Tese (Doutorado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde)—Universidade de Brasília, Brasília, 2012.
Abstract: A aceleração de ensino é uma estratégia educacional que possibilita ao aluno mover-se pelo currículo, em áreas que domina, no seu ritmo, reduzindo seu tempo de permanência na escola e propiciando seu avanço acadêmico. Ou seja, essa prática busca equiparar o nível e a complexidade do currículo ao conhecimento, interesse, motivação e ritmo de aprendizagem do estudante. É recomendada aos superdotados, especialmente, quando estes se deparam com um ambiente escolar pouco estimulador e desafiador, gerando tédio, irritação e mesmo indisciplina em sala de aula. Apesar das pesquisas apontarem efeitos benéficos da aceleração de ensino ao aluno com altas habilidades, observa-se uma resistência por parte de pais e educadores à sua implantação. O objetivo deste estudo foi caracterizar alunos superdotados, do ensino fundamental, que foram submetidos a procedimentos de aceleração de ensino quando frequentavam a educação infantil, do ponto de vista acadêmico, cognitivo e socioemocional, bem como examinar a percepção dos alunos, de suas mães e professores acerca dessa prática Participaram da pesquisa 12 estudantes superdotados de escolas públicas que frequentavam as salas de recursos do Atendimento Especializado a Alunos com Altas Habilidades da Secretaria de Educação do Distrito Federal e que foram acelerados quando frequentaram a educação infantil. Integraram, ainda, o estudo, 12 mães, 10 professores de salas de aula regular e 5 professores de salas de recursos. Foram utilizadas escalas para a investigação das características comportamentais, dos estilos de aprendizagem e do autoconceito dos discentes, bem como entrevistas semiestruturadas com alunos, mães e professores. Os resultados indicaram que a aceleração de ensino foi uma intervenção educacional bem sucedida para os alunos, não acarretando perdas acadêmicas ou dificuldades socioemocionais. Os estudantes apresentavam bom rendimento acadêmico nas séries cursadas, inclusive, se destacando entre os melhores de sua turma; apreciavam a escola, gostavam de aprender; eram socialmente engajados, e a maioria tinha muitos amigos. Segundo mães e professores, eles mostravam habilidades acima da média, particularmente relacionadas à inteligência e ao domínio do conteúdo escolar, linguagem oral avançada, velocidade de pensamento e bom relacionamento com os pares. Os alunos destacaram seu excelente desempenho acadêmico e habilidades acima da média, descrevendo-se como inteligentes, espertos e estudiosos e demonstrando um autoconceito positivo. As crianças deste estudo foram aceleradas porque se destacavam dos seus colegas da educação infantil quanto ao domínio do conteúdo escolar e precocidade na leitura e escrita, e em função de dificuldade de interação com seus pares, tendo em vista interesses diferentes entre eles. Mães e alunos avaliaram positivamente a experiência de aceleração de ensino. Tanto professores da sala de aula regular quanto da sala de recursos se posicionaram desfavoravelmente em relação à aceleração. Os argumentos estavam associados a possíveis problemas de adaptação dos alunos acelerados nas séries seguintes devido à imaturidade emocional e à crença de que a aceleração gera dificuldades acadêmicas em anos subsequentes ou em outras áreas de conhecimento. Contudo, não identificaram tais problemas ao caracterizaram seus alunos acelerados. Os resultados indicaram ainda que os docentes relacionaram a aceleração de ensino exclusivamente ao avanço de série e que as escolas onde trabalham fornecem pouca orientação sobre como implementá-la. A aceleração de ensino na educação infantil é considerada por pesquisadores da área como uma “pedra angular” para o bom desempenho acadêmico e socioemocional do aluno superdotado e por isso requer planejamento e acompanhamento. A legislação educacional brasileira ampara o superdotado, mas, no entanto, traz barreiras à aceleração no primeiro ano do ensino fundamental, não define formas ou critérios para adoção dessa prática, tampouco prevê outras modalidades de aceleração. É importante que o estudante superdotado seja inserido em um ambiente educacional que estimule seu potencial, respeite seu ritmo de aprendizagem e atenda às suas necessidades cognitivas, acadêmicas, sociais e emocionais. Como apontado nos resultados, a aceleração de ensino é uma alternativa promissora na educação do aluno com altas habilidades. _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT
Academic acceleration is an educational strategy that allows the student to move at his or her own pace through the curriculum, in areas which he or she dominates, reducing time spent in school and providing academic progress. In other words, this practice seeks to match the level and complexity of curriculum to the student’s knowledge, interest, motivation and learning rhythm. It is recommended to high ability students, especially when they are faced with a school environment which little stimulates and challenges, generating boredom, irritation and even indiscipline in the classroom. Although studies indicate beneficial effects of acceleration to gifted students, its implementation faces resistance from parents and educators. The objective of this study was to characterize elementary school gifted students, who went through the process of acceleration when attending early childhood education, and to investigate the perception of students, their mothers and teachers about this practice. The participants were 12 gifted students from public schools, attending the High Ability Student’s Program from the Federal District Education Department. These students were all accelerated when they were at Elementary School. The study also had the participation of 12 mothers, 10 teachers from regular classrooms and 5 teachers from resource rooms. Scales were used to investigate the student’s behavioral characteristics, learning styles and self-concept. Semi-structured interviews were also employed. The results indicated that academic acceleration was a successful educational intervention for students, not resulting in academic losses or socio emotional difficulties. The students had good academic performance in the grades attended, standing out among the best students in their classes. They also enjoyed school, loved to learn, were socially engaged, and most had many friends. According to mothers and teachers, students showed above-average skills, particularly related to intelligence and to the domain of the school content, advanced oral language, speed of thought and good relationship with peers. Students highlighted their excellent academic performance and above average skills, describing themselves as intelligent, smart and hard working scholars and demonstrating a positive selfconcept. Children in this study were accelerated because they stood out among peers during early childhood education as to the domain of school programs and early reading and writing. Students also presented difficulty interacting with peers, due to the different interests among them. Mothers and students have evaluated academic acceleration positively. Both teachers from regular classrooms and resource room positioned themselves unfavorably in relation to acceleration. The arguments were associated with possible adjustment problems of accelerated students in the following grades because of emotional immaturity and the belief that acceleration generates academic difficulties in subsequent years or in other areas of knowledge. However, the teachers did not identify such problems in their accelerated students. The results also indicated that teachers used to relate academic acceleration exclusively to the advancement of grades and that schools provided little guidance on its implementation. Learning acceleration in early childhood education is considered by researchers as a “cornerstone” for academic and socio emotional achievement of high ability students and therefore, requires planning and monitoring. The Brazilian educational legislation protects the gifted, but, 9 however, poses barriers to the acceleration in the first year of elementary school, does not define a criteria for the adoption of this practice, nor provides other forms of acceleration. It is important that the gifted student is placed in an educational environment that stimulates his or her potential, respecting the learning pace and meeting cognitive, academic, social and emotional needs. As noted in the results of this study, academic acceleration is a promising alternative for the education of high ability students.
Description: Tese (Doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde, 2012.
Appears in Collections:PED - Doutorado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde (Teses)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/11225/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.