Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/10282
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2011_JonathanLoboMelamed.pdf6,12 MBAdobe PDFView/Open
Title: Papel do receptor taquicinérgico NK3, via agonista senktide, na sensitização comportamental induzida pela administração repetida de cocaína em micos-estrela
Authors: Melamed, Jonathan Lobo
Orientador(es):: Barros, Marília
Assunto:: Primata - comportamento - avaliação
Drogas - abuso
Drogas - efeitos
Issue Date: 20-Apr-2012
Citation: MELAMED, Jonathan Lobo. Papel do receptor taquicinérgico NK3, via agonista senktide, na sensitização comportamental induzida pela administração repetida de cocaína em micos-estrela. 2011. 81 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde)—Universidade de Brasília, Brasília, 2011.
Abstract: A exposição repetida ao psicoestimulante cocaína gera uma variedade de efeitos, incluindo a sensitização comportamental. Esta é o aumento da expressão de determinados comportamentos após um regime repetido de algumas drogas de abuso. Ainda, os neuropeptídeos da família das taquicininas parecem exercer um papel modulatório sobre os sistemas neurais envolvidos na adicção. No entanto, a maioria dos estudos tem avaliado esse efeito quando da administração aguda de ligantes dos receptores taquicinérigicos NK3 em roedores. Dessa forma, o presente estudo avaliou em uma espécie de primata não-humano (mico-estrela; Callithrix penicillata): 1) o desenvolvimento de uma sensitização comportamental após a administração repetida de cocaína; 2) o efeito da ativação repetida do receptor taquicinérgico NK3, com o agonista direto senktide, nas alterações comportamentais induzidas pela cocaína; e 3) os níveis de cortisol antes e depois da injeção repetida de cocaína e senktide. Para tanto, 15 micos foram divididos em três grupos (n=5) e submetidos a uma administração diária, durante sete dias consecutivos, com salina, cocaína (7 mg/kg) ou senktide (0,2 mg/kg). O comportamento dos animais foi observado por 20 min no campo aberto (CA) depois de cada injeção (sessões de tratamento; dias 1-7). Após sete dias sem nenhuma intervenção, todos os animais receberam uma única dose de 5 mg/kg de cocaína e foram novamente observados por 20 min no CA (sessão teste; dia 14). Uma amostra de sangue de cada mico foi obtida nos dias 0, 8, 15 e 30. Apenas nos animais tratados repetidamente com cocaína (7 mg/kg) foi observado um aumento significativo nos comportamentos de vigilância. Esse efeito foi mantido mesmo após a aplicação de uma dose menor da droga (5 mg/kg) depois de sete dias de retirada. Ainda, o tratamento prévio com senktide aumentou significativamente os níveis de glance e a velocidade média de locomoção quando 5 mg/kg de cocaína foi administrado. Por outro lado, os níveis de cortisol permaneceram inalterados ao longo de todo o estudo, independente do tratamento dado. Portanto, o tratamento repetido de cocaína induziu um efeito de hipervigilância nos micos, os quais foram sensitizados pelo presente regime de administração. Ainda, a ativação repetida do receptor NK3 com senktide potencializou alguns dos efeitos de 5 mg/kg de cocaína. Desta forma, o micoestrela parece ser um bom sujeito experimental, e o protocolo de doses fixas repetidas uma ferramenta ímpar, no estudo comparativo de aspectos da dependência por cocaína.
Abstract: Repeated exposure to the pyschostimulant cocaine induces a variety of effects, including behavioral sensitization. This is the increased expression of certain behaviors after the repeated administration of some drugs of abuse. In addition, the family of tachykinin neuropeptides seems to exert a modulatory role on the neural systems involved in addiction. Most studies, however, have analyzed this effect after the acute administration of NK3 receptor ligands in rodents. Thus, the present study evaluated in a non-human primate (black-tufted ear marmosets; Callithrix penicillata) the: 1) development of a behavioral sensitization effect after a repeated administration of cocaine; 2) effect of repeated activation of the NK3 receptor, with the direct agonist senktide, on behavioral changes induced by cocaine; and 3) cortisol levels before and after repeated injections of cocaine and senktide. Accordingly, 15 marmosets were divided into three groups (n=5) and subjected, during seven consecutive days, to a daily administration with saline, cocaine (7 mg/kg) or senktide (0.2 mg/kg). After each injection, behavioral observations were made during 20 min in an open field (OF) (treatment sessions, days 1-7). After seven days without any intervention, all animals received a single 5 mg/kg dose of cocaine and were again observed in the OF for 20 min (test session, day 14). A blood sample was obtained from each marmoset on days 0, 8, 15 and 30. A significant increase in vigilance behaviors was observed only in animals repeatedly treated with cocaine (7 mg/kg). This effect was maintained even after the administration of a lower dose of the drug (5 mg/kg) held after the seven-day withdrawal. Furthermore, treatment with senktide significantly increased glance levels and average speed when 5 mg/kg of cocaine was administered. On the other hand, cortisol levels remained unaltered throughout the study, regardless of the treatment given. Therefore, repeated treatment with cocaine induced a hypervigilance effect in the marmosets, which were sensitized by the present administration regimen. Also, repeated activation of the NK3 receptor with senktide potentiated some of the effects of 5 mg/kg of cocaine. Thus, the black-tufted ear marmoset seems to be a good experimental model, and the repeated and fixeddose protocol a unique tool, for comparative studies related to cocaine addiction. hypervigilance, cortisol.
Description: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde, 2011.
Appears in Collections:FS - Mestrado em Ciências da Saúde (Dissertações)

Show full item record Recommend this item " class="statisticsLink btn btn-primary" href="/handle/10482/10282/statistics">



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.