Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.unb.br/handle/10482/10021
Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011_DanielRodriguesBrasil.pdf4,4 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
Título: O mar virou sertão : a trasnposição do rio São Francisco e a comunidade quilombola de Santana
Autor(es): Brasil, Daniel Rodrigues
Orientador(es): Toni, Fabiano
Assunto: Quilombos
Desenvolvimento sustentável
Política pública
São Francisco, Rio
Data de publicação: 27-Fev-2012
Referência: BRASIL, Daniel Rodrigues. O mar virou sertão : a trasnposição do rio São Francisco e a comunidade quilombola de Santana. 2011. 159 f., il. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável)-Universidade de Brasília, Brasília, 2011.
Resumo: O objetivo geral deste trabalho é analisar a interrelação entre as políticas destinadas às comunidades remanescentes de quilombos e imperativos de desenvolvimento do Estado brasileiro, com foco no Programa Brasil Quilombola e no Programa de Aceleração do Crescimento, respectivamente. A comunidade quilombola de Santana, localizada no município de Salgueiro, Pernambuco, e a transposição do rio São Francisco são os protagonistas dessa trama que revela uma contradição velada entre a orientação dos imperativos de desenvolvimento no Brasil e a das políticas públicas para comunidades remanescentes de quilombos. No plano nacional, esse cenário desvenda a insustentabilidade dessas políticas, particularmente no tocante à participação dos sujeitos afetados no processo decisório exclusivo. A argumentação que referenda essa conclusão tem três dimensões. A primeira diz respeito ao histórico de invisibilização e incipiente assunção de direitos dos remanescentes de quilombos na contemporaneidade. A segunda, à abrangência nacional do potencial conflito emergente do rearranjo de forças sociais, que essa assunção de direitos provoca, dentro do contexto de uma modernidade pouco inclusiva. A terceira concerne à forma como as dimensões anteriores se traduzem em um microcosmo: a comunidade quilombola de Santana, que hoje é atravessada pelas obras da transposição do Rio São Francisco. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
The main objective of this present work is to analyze the interrelation amid policies aimed at communities reminiscent of quilombos and the imperatives of development of the Brazilian State. The light is on the Brasil Quilombola Program and the Growth Acceleration Program, respectively. The quilombola community of Santana, situated at the municipality of Salgueiro, Pernambuco, and the São Francisco river transposition are protagonists of this plot which reveals a concealed contradiction between the orientation of the development policies and that of the ones destined to quilombola communities in Brazil. In the national territory, this scenario unveils the insustainability of both these policies, particularly to what refers the participation of the subjects affected by the exclusive decision-making process. The argumentation is referenced in three dimensions. The first being the very own history of occultation and incipient assumption of rights of the reminiscent of quilombos in the contemporaneity. The second relates to the national scope of the potential conflict emerged from the rearranging of social forces, provoked by that assumption of rights, in the context of a incomprehensive modernity. The third concerns the shape which those pr vious dimensions assume in a microcosm: the quilombola community of Santana, which is presently crossed by the São Francisco river transposition.
Informações adicionais: Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Centro de Desenvolvimento Sustentável, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável, 2011.
Aparece nas coleções:CDS - Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento Sustentável (Dissertações)

Mostrar registro completo do item Recomendar este item Visualizar estatísticas



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.